segunda-feira, 5 de março de 2012

O Glacê e a Praça

Nós, do Grupo Glacê estamos ensaiando há quase um ano na Praça da Rua Madalena, bairro do Macedo, Guarulhos/Tebarulhos/SP. Utilizamos essa praça como espaço de criação, de ensaios e possivelmente estreia de nossa próxima peça, porém, passamos por uma dificuldade desde o inicio do ano, porque a praça foi abandonada pelo serviço público e com total falta de manutenção do espaço se transformou em um depósito de lixo. Nos propusemos a limpar o espaço, mas não temos o equipamento apropriado, inclusive, para carpir a grama que está com mais de um metro de altura. Porém, diante do “NADISMO PÚBLICO” adiantamos o serviço de varrer e juntar o lixo, na medida do possível, na ultima Quinta feira (01/03/2012), mas muito mais ainda precisa ser feito por esta praça. Durante o fim de semana escutei que a praça pode virar até um posto de saúde, mas e ai? Nem posto, nem praça, e com a quantidade de espaços públicos ociosos pela cidade, querem logo acabar com mais uma praça? Os grupos de teatro, mal tem espaço para ensaiar, e quando optam pelo único espaço possível e sem regrasde horários comerciais (lembrando que em espaço público fechado quem pauta o horário é o governo local), ganham praças totalmente inabitáveis e sem manutenção nenhuma. É óbvio que existem outras praças transformadas em lixão na cidade, mas estamos aqui colocando nosso micro problema que ajuda a enxergar o MACRO, e cada vez mais cresce o MACROPROBLEMA social e cultural de nossa TEBARULHOS.
Rodrigo Pignatari, integrante do Grupo Glacê